Quantas vezes já acordaste de manhã ainda cansado, mesmo depois de teres dormido toda a noite? Ou chegas à 2 feira sentindo-te sem energia e desmotivado, mesmo que tenhas passado o fim de semana sem fazer nada? images

 

Porque não consegues descansar?

Para descansar o corpo físico, basta parar. Se o teu corpo está muito cansado, uma noite bem dormida consegue resolver isso – mas a mente não descansa assim.

Durante milhares de anos, o cansaço do ser humano era essencialmente físico. E para “recarregar as baterias” bastava parar, sentar, dormir. Ou seja, a parte que estava cansada – o corpo – conseguia desligar e recuperar. Hoje em dia, o que está cansado é principalmente a mente – e essa não desliga apenas com o parar do corpo.

 

Incapacidade de “desligar”

Já te aconteceu estares tão cansado que vais para a cama e não consegues dormir? Estás exausto, não aguentas mais, só queres “apagar” a tua mente, mas esta continua dolorosamente desperta, parecendo que se recusa a desligar. É um paradoxo. Não faz sentido. Se estás exausto, o mais lógico seria chegares à cama e adormeceres.

Muitas vezes, na verdade, isso acontece, o chegarmos à cama muito cansados e adormecermos de imediato. Esse desligar do nosso corpo parece automático. Mas a partir de um certo nível de cansaço, isso já não funciona. O nosso corpo precisa de alguma energia para conseguir concretizar o acto de desligar. Então, a partir desse nível de cansaço, o corpo já não tem a energia suficiente para conseguir desligar. Por isso, podes estar exausto e passar quase toda a noite às voltas na cama, desesperado, tentando adormecer sem o conseguir, e ficando cada vez mais cansado. Obviamente no dia seguinte não estás em muito boa forma… nem muito produtivo… nem com muita paciência…

 

Insónias

Muitas pessoas vivem esta rotina a que chamam insónias, acreditando que são mesmo assim e tomando medicação para “anestesiar” as suas mentes e lhes permitir dormir. Mas este problema pode ser resolvido mais facilmente e mesmo ultrapassado, aprendendo a gerir os níveis de cansaço e a desligar a mente. O descanso mental tem que ser intencional.

 

Culpa

Este cansaço mental imenso, surge em pessoas que vivem como se existissem para “produzir” (os preguiçosos não têm este tipo de problema!). Com o cansaço crescente, vais-te tornando menos produtivo, menos rápido e menos eficaz. E muitas vezes surgem os sentimentos de culpa – devias estar a produzir mais! Mas esta noção e esta sensação de culpa é contraproducente, porque vai queimar a pouca energia que ainda te resta. Ao estares a forçar mais a tua capacidade, quando devias estar a repor as energias, vais estar a esticar ainda mais um fio que já está quase a partir. Estes momentos, em que pensas que precisas de aguentar só mais um pouco (até acabares aquele trabalho que estás a fazer) são os de maior risco. Da mesma forma que os últimos metros da maratona. Alguns atletas já deviam ter parado antes, já esgotaram completamente a sua energia. Mas o desejo profundo de acabarem a prova, faz com que eles vão usar uma energia que já não têm, continuando a correr quando já estão “mortos”. E quando chegam à meta caem para o lado… A nível mental acontece o mesmo processo, só que com consequências muito mais graves. Continuares a tentar quando já não estás a conseguir, por exemplo no estudo ou num trabalho muito mental, não é produtivo e acelera bastante o processo de desgaste.  O empenho em fazeres “só mais um pouco” pode levar-te a passares a linha do teu limite e a entrares subitamente num processo de ruptura.

 

Aceleração 

Uma característica comum a todas as pessoas que estão muito cansadas, é a aceleração. Todo o seu metabolismo e ritmo interior estão muito acelerados, aumentando o consumo de energia, o desgaste mental e intensificando o mal-estar geral.

 

Descanso passivo é fundamental. Mas para recarregares baterias e recuperares o teu bem-estar, o teu descanso tem que ser intencional e eficaz. Esse é o campo de acção do descanso activo!