Counselling começa a trabalhar o alívio do problema, a partir da primeira sessão. É uma abordagem muito diferente da psicoterapia, fazendo mesmo um percurso inverso ao desta.

Será a melhor abordagem? Sem dúvida, para algumas pessoas. Para outras, não.

Antes de iniciares uma terapia, de casal ou outra, é importante perceberes as características de cada abordagem, o tipo de percurso que se propõe fazer, para perceberes qual será a mais adequada para ti.

Neste artigo, poderás ver conceitos muito diferentes daquilo que conheces em termos de terapia. No entanto, counselling não é psicoterapia e nem é parecido. Apenas trabalhamos com os mesmos problemas, mas com uma abordagem “oposta”.

 

Análise do problema?

Talvez uma das maiores diferenças em counselling, é a não análise do problema. Todo o foco é nas ferramentas e técnicas a desenvolver para começar a criar alívio na situação. Isto significa que, logo na primeira sessão, aprendes algumas ferramentas para começares a desenvolver o teu bem-estar e a reduzir o impacto que o problema tem sobre ti.

Porque não fazemos análise? Porque não queremos estar a escancarar uma “ferida”, seja ela qual for, numa pessoa que ainda não tem as competências necessárias para lidar com ela de forma positiva. A análise, muitas vezes, agrava o problema, abrindo espaço para mais transferência de culpa, pressão, cobrança e, muitas vezes, desvendando outros detalhes que ainda não sabiam e que em nada vêm ajudar na resolução, principalmente numa fase inicial.

No entanto, trabalhamos muito a análise da dinâmica da situação, do percurso que estamos a fazer, do que está a funcionar, os resultados que estamos a alcançar, num processo de constante reajuste e readaptação das ferramentas, tornando-as cada vez mais específicas e mais “à tua medida”.

 

Comunicação positiva

A não análise (do problema, culpas, etc, etc), ajuda-nos a começar, logo desde a primeira sessão, um percurso positivo.

Quando a relação está mal, a maior tendência é para “ter uma conversa”, esclarecer as coisas, cada um dizer o que sente ou pensa. Isso não irá funcionar em pessoas que já estão “bloqueadas” num ambiente de conflito. O cérebro de ambos não está com abertura nem elasticidade para esse tipo de comunicação. Um diz uma coisa e o outro parece que não percebe. Na realidade, isso acontece porque estão a usar linguagens diferentes. Não irão chegar a um entendimento assim. E isso tem o efeito de bola de neve. A comunicação vai ficando cada vez pior. O que precisamos é de inverter esse efeito; desenvolver competências de comunicação específicas para poderem abordar os problemas sem se agredirem, perceberem a importância relativa dos problemas, aumentar resiliência, terem um papel mais ativo e eficaz em que a relação funcione bem.

 

Sessões separadas

Em counselling, mesmo em terapia de casal, sempre faço sessões separadas. Isto permite, por um lado, que cada fale à vontade sem se sentir constrangido ou intimidado pela presença do outro e, por outro lado, que eu também possa falar abertamente sem correr o risco de que o que digo a um vá aumentar a pressão por parte do outro.

 

Como funciona?
Nestas sessões individuais, eu trabalho com cada um, especificamente, as áreas que ele/a precisa de desenvolver ou mudar e que, muitas vezes, são opostas. Por exemplo, eu posso ajudar um a ter uma atitude mais pró-ativa, enquanto que com o outro estou a trabalhar competências para “abrandar”, para dar mais espaço ao outro.

Sendo uma abordagem holística, vamos estar a trabalhar todas as áreas ou temas que o necessitem, como gestão de emoções, de cansaço, filhos, etc, percebendo que não é possível resolver um problema de forma isolada. Aqui, trabalhamos áreas como Mindfulness, bioquímicos, neuroplasticidade (podes encontrar artigos sobre cada um destes temas no nosso site ( http://www.lisboacounselling.com/index/ ).

Para além disso, fazemos um trabalho “a dois”, em que ambos vão estar a treinar as mesmas competências ou ferramentas em simultâneo.

Estas ferramentas de counselling são competências que os nossos clientes vão colocar a uso no seu dia a dia. Isto faz com que seja um trabalho a tempo inteiro, na realidade um novo estilo de vida. É este formato de equipa, entre mim e os meus clientes, e o incorporar de novas e mais eficazes formas de gerir as situações e os problemas, que nos permite alcançar resultados num período de tempo muito curto.

 

Confidencialidade

Ao fazer sessões separadas, eu vou estar a receber dois pontos de vista diferentes, acerca do mesmo problema. Isto não atrapalha nada. Muito pelo contrário, pois dá-me uma visão mais alargada (em vez de unilateral) da situação, ajudando-me não só a planear estratégias mais eficazes mas também a ter um feedback deles mais realista.

A confidencialidade existe no sentido em que eu não vou passar a um, informação que o outro tenha partilhado comigo. Aquilo que ambos vão saber, é quando têm o mesmo “trabalho de casa” para treinar, na mesma semana.

 

Resultados

Eu não vou resolver os problemas do teu casamento. Eu sou apenas a vossa treinadora, planeando as competências que vocês precisam e ajudando-vos a implementá-las. É o vosso trabalho orientado por mim, que vai mudar a vossa situação. Ou seja, vocês vão ficar mais capazes de desenvolver boas relações.

 

A mudança no teu casamento é possível e está ao teu alcance. Mesmo que o teu parceiro/a não esteja aberto/a  a trabalhar essa área, tu podes aprender as ferramentas necessárias para começares a promover mudança, tanto em ti como na vossa relação.

Na LisboaCounselling podes fazer uma primeira sessão para perceberes o tipo de trabalho que pode ser feito na tua situação específica e as mudanças que poderemos alcançar. Contacta-nos!