Quanto mais terrível e cruel é a situação que o teu filho esteja a viver, menos provável é que ele fale disso ou peça ajuda. Quanto mais camuflado é o bullying, mais devastadores são os seus efeitos.

 

O bully exerce uma espécie de poder sobre as suas vítimas, através do medo, que as leva a manterem-se debaixo do seu controlo, sem falarem disso a ninguém e vivendo nesse terror a tempo inteiro.

 

O que é bullying?

Bullying não é conflitos, falta de paciência, temperamento difícil nem pavio curto; e não é, de todo, uma “doença” ou disfunção mental. Bullying é intencional; é agressão física ou psicológica, repetida e consciente, contra alguém mais “fraco”.

Este tipo de agressão sempre existiu, mas a sua ação destrutiva foi subestimada ou ignorada até surgirem os primeiros casos de suicídio de crianças vítimas de bullying. Só aí se começou a perceber o terror e desespero em que estas crianças vivem.

 

Tipos de bullying

Entre os rapazes é mais comum o bullying direto, seja a agressão física aberta, seja a camuflada, como rasteiras ou uns encontrões de passagem.

As raparigas praticam formas de bullying mais indireto, envergonhando e humilhando a sua vítima e levando ao seu isolamento social.

No próximo artigo, vou falar sobre exemplos e atitudes específicas.

 

Sintomas

A criança que começa a ser vítima de bullying, muito raramente fala disso ou pede ajuda e só em casos mais leves. Nos casos mais graves e cruéis, a vítima é incapaz de o fazer. No entanto, há sempre uma mudança na criança, sintomas que os pais e professores podem ver. Eis alguns:

  • tristeza persistente
  • tendência para se isolar, para não querer socializar com os amigos
  • insegurança
  • medos
  • pesadelos e terrores noturnos
  • perturbações do sono, insónias
  • dores de barriga
  • transtornos alimentares, vómitos
  • vai ficando menos ativa do que era habitual
  • não quer ir à escola (pode ir tentando arranjar desculpas e pretextos para conseguir não ir)
  • o rendimento escolar baixa
  • não quer falar acerca dos amigos

Os sintomas podem parecer ao adulto descabidos, ridículos ou mesmo exasperantes. Essa reação do adulto, pode fazer com que a criança tente esconder os sintomas, o que vai agravar o problema.

Se vês alguns destes sintomas no teu filho ou aluno, deves procurar pesquisar o que se passa.

 

Como lidar com os sintomas?

Percebe que são apenas sintomas, não são o problema real. Mas para o teu filho ou aluno, são algo com que ele não consegue lidar.

Ele precisa da tua compreensão. Não tentes obriga-lo, à força, a fazer o que ele acha que não está a conseguir. Procura ajudar a suavizar os sintomas.

Lembra-te que os sintomas podem ser a sua única forma de pedir socorro. Esse pedido, deve ser levado muito a sério e respondido.

Num próximo artigo, irei falar de passos práticos que podes dar para o ajudar.

 

O teu filho está a ser vítima de bullying?

Não sejas demasiado rápido na tua conclusão! Não digas que não está a acontecer nada disso! Podes crer que todos os pais de crianças que estão a ser vítimas de bullying, tinham a certeza que isso não estaria a acontecer com o seu filho.