Bullying é uma situação específica, com características específicas. Não o confundas com conflitos!

 

Características do bully

Apesar de se armar em “valentão”, o bully não tem nada de valente nem de corajoso. Ele é covarde, maltrata as suas vítimas às escondidas e incentiva ou coage outros a fazer o mesmo. O seu “poder” está muito na sua capacidade de convencer a sua vítima de que é mais fraca do que ele (mesmo que o não seja).

Eis algumas das suas características:

  • necessidade de controlar e dominar
  • egocêntrico, arrogante e orgulhoso, considera-se acima dos outros
  • odeia e despreza o bom ou o positivo do outro e faz tudo o que pode para o destruir
  • convence a vítima de que é mais fraca do que ele
  • normalmente é um covarde
  • maltrata as suas vítimas às escondidas
  • incentiva ou obriga outros a também maltratar
  • intolerante
  • hostil e irado
  • constante inveja e ressentimento
  • cruel e vingativo
  • vê as ações dos outros como hostis
  • usa a força para resolver os problemas
  • não sente a dor do outro (embora tenha uma plena consciência dessa dor, que lhe permite agredir nos pontos mais vulneráveis da sua vítima)
  • não tem quaisquer sentimentos de culpa pelo mal que provoca no outro
  • é especialista em se camuflar, em parecer que não fez nada de mal
  • proíbe a vítima de contar a alguém ou pedir ajuda, sob ameaça de duras retaliações
  • é especialista em fazer com que a vítima pareça ser a culpada, por vezes de coisas muito graves (assim a vítima perde qualquer credibilidade e o papel dele fica cada vez mais fácil)
  • ele é um predador

O bully tem um poder real sobre a sua vítima, manipulando e controlando através do medo. Este poder pode funcionar a tempo inteiro, ou seja, mesmo quando não está na presença do seu agressor, a vítima está debaixo do medo.

 

Com que idade se pode identificar?

O agressor mais novo que encontrei tinha 3 anos.

Podes estar chocado/a ou a perguntar-te como é que eu posso (ou me atrevo) a dizer isso. No entanto, como já referi, o agressor tem características muito específicas. Estas crianças, para além de uma enorme capacidade de manipulação, principalmente da mãe e educadora, mostram uma grande e intencional crueldade e uma “esperteza” muito acima da média no seu uso. Ele sabe fazer exatamente o que mais vai magoar o outro, espeta sempre no sítio da maior ferida. Normalmente vive num jogo em que oscila entre delicioso e irresistível, passando abruptamente para atitudes que causam grande dor e, logo a seguir, voltar a fazer aquele sorriso delicioso ou a dizer algo que volta a “derreter” o coração do outro.

 

Há vários níveis de gravidade no bullying (na série de artigos sobre violência doméstica, neste site, podes encontrar um que fala sobre isso) que dependem basicamente do nível de crueldade do agressor e do prazer que ele sente nessa crueldade. No entanto, o agressor nunca tem qualquer interesse em mudar. Ele age assim porque quer.

Somos nós, quando identificamos uma situação dessas, que podemos desenvolver estratégias para o impedir.

Tu podes fazer a diferença na vida de uma destas crianças!