O alvo em counselling não é analisar a situação, mas ajudar a sair dela. Não é ajudar a vítima (principalmente quando é uma criança) a partilhar e reviver as situações ou detalhes dolorosos, mas a libertar-se da situação, a sarar o seu coração e a ser mais capaz de lidar com situações difíceis no futuro.

 

Porque não analisar?

Bloqueios de memória são uma proteção natural. Perante situações muito dolorosas, a nossa mente pode naturalmente bloquear uma grande parte (ou mesmo a totalidade) dos detalhes. São feridas profundas que existem, apesar de a maior parte dessa ferida não estar ao nível do consciente. “Abrir” essa ferida, vai renovar a dor e agravar o problema. O nosso cérebro tem esse papel de bloquear muita coisa, durante uma situação muito dramática; mas numa situação normal, já não o consegue fazer. Isto significa que, ao analisar os detalhes da agressão, se podem trazer à memória consciente coisas que o cérebro já não vai conseguir bloquear outra vez… e que aí, sim, ficarão na memória dessa pessoa para sempre, cristalizando-a num diagnóstico de Post-Traumatic Stress Disorder.

Por isso, muitas pessoas têm medo de recorrer a ajuda, têm medo de ficar piores, com maior consciência do problema, mais amarradas a ele. Por isso, em counselling nunca seguimos esse caminho!

 

Análise?
Apesar de não fazermos análise do problema, fazemos do processo de saída. Ao trabalharmos novas competências e ferramentas com o nosso cliente (criança ou não), ajudamo-lo a perceber o que já está a mudar e como essa mudança está a acontecer.

Com este tipo de análise, consolidamos a mudança (ele percebe como funciona essa mudança, torna-se mais autónomo, com mais confiança na sua capacidade de lidar com a dor, mesmo em situações futuras).

 

Que tipo de ajuda podes ter em counselling?

  • Treino de competências e ferramentas de gestão de emoções: medo, angústia, culpa, ressentimento, raiva, decepção, etc
  • Auto-imagem e auto-confiança – apagar a auto-imagem negativa e mentirosa que tinha; aprender a assumir a sua dignidade de ser humano
  • Skills de comunicação, para deixar de ser subjugada por pessoas mais “habilidosas” do que ela
  • Desenvolvimento de estratégias específicas para mudar a sua situação, para evitar ou impedir a continuação da agressão
  • Desenvolvimento da capacidade de deixar de ser um alvo de abuso, no futuro, para outros agressores
  • Desenvolvimento da cura interior, do perdão, da capacidade de se libertar do “trauma”

 

Na LisboaCounselling trabalha-se diretamente com a criança?

Sim, em situações de bullying, a não ser que a criança seja ainda muito pequena. É também feito acompanhamento aos pais (para saberem como lidar com esta situação, como podem ajudar o seu filho) e, sempre que possível, aos professores.

 

Programa anti-bullying

Temos também um programa para escolas, em dois formatos possíveis:

  • Workshops de consciencialização, com informação acerca dos vários aspetos do bullying, papel dos vários intervenientes, estratégias para lidar com a situação, para ajudar as crianças envolvidas, etc.
  • Treino de competências para acabar com as situações de bullying na escola

 

Queres,

aprender a ajudar alguém que está a viver uma situação de bullying?

deixar de ser vítima de bullying?

curar feridas de bullying no passado?

A mudança é possível! Contacta-nos!